tamanho da letra : imprimir

Espaço do Eric

Um guia para a volta as aulas parte 1

Eric Gozlan
o óptico francês está estabelecido em Curitiba com a óptica Eric Gozlan Lunettes

Com a volta as aulas, além da compra de material escolar e uniforme, os pais também precisam se preocupar com a condição visual dos pequenos, já que uma boa visão, em geral, é o passaporte para um bom desempenho escolar. As ópticas também devem fazer sua parte, preparando-se para receber muito bem os novos usuários mirins de óculos. Trago nesta e nas duas próximas edições dez dicas para acertar na recomendação de óculos infantis.

1. A prescrição

A receita é o melhor ponto de partida para começar a conversar com pais sobre os futuros óculos de seus filhos. O grau prescrito irá influenciar diretamente na escolha das lentes e das armações. Alguns médicos costumam fazer anotações relevantes como respeitar a distância pupilar prescrita, aplicar tratamento contra os raios ultravioleta (UV) etc. Comparar com a receita ou as lentes antigas é uma boa orientação sobre a evolução da condição visual da criança.

2. Os óculos antigos

A armação que a criança usava até então também é fonte de muitas informações. Vale observar pontos como satisfação do usuário, espessura das lentes, conforto (se aperta ou machuca), dimensões (se estava do tamanho adequado), estética (se as lentes cobriam todo o olhar da criança) e resistência (se o material da armação “sobreviveu” ao uso contínuo). Essas inúmeras informações agregam no momento da escolha dos novos óculos e ainda evitam a repetição de possíveis erros.

3. A escolha das lentes

A segurança deve vir em primeiro lugar quando o assunto são óculos infantis. Por isso, o melhor é recomendar lentes de materiais resistentes como policarbonato ou Trivex, que resistem ao dia a dia das crianças e não colocam seus olhos em perigo. Para evitar lentes espessas e pesadas, é importante escolher armações menores em função da morfologia do rosto da criança. Além disso, lentes menores evitam distorções periféricas, sobretudo nos casos de graus altos.

4. Os tratamentos das lentes

O tratamento número um indicado para as crianças é o antiultravioleta (UV), porque os olhos dos pequenos são muito mais sensíveis à radiação ultravioleta quando comparados com os olhos dos adultos. Se o material das lentes escolhidas não protege totalmente contra os raios ultravioleta, é necessário aplicar um tratamento adicional. O tratamento anti-risco também é indispensável para aumentar a resistência à abrasão. Já o anti-reflexo vale para as crianças responsáveis e aptas a limpar com cuidado suas lentes, já que lentes anti-reflexo sujas perdem seu “poder” e, além disso, incomodam a visão.

Na VIEW 131, acompanhe três novas dicas sobre a venda de óculos infantis. Até lá e boas vendas!

Enviar por email

Compartilhar

Últimas edições