tamanho da letra : imprimir

Os números da óptica no Brasil parte 1

Intitulada “Óptica”, extensa pesquisa realizada pela GS&MD Gouvêia de Souza sob encomenda da Associação brasileira da indústria óptica (Abióptica) analisa o cenário econômico, revela hábitos do consumidor brasileiro e promove um raio-x do varejo. A VIEW compilou as informações e publica-as em duas partes.
Andrea Tavares Débora Nascimento

Enviar por email

Compartilhar

Análise do cenário econômico

O Brasil tem 35.925 ópticas

Mapa do Brasil: 47,7% das ópticas se concentram no Sudeste. O nordeste mostra seu poder de fogo ao ocupar o segundo lugar com 24,8%. O terceiro lugar é do sul, com 15,7%. O centro-oeste tem 7,7% e norte, 4,1%.

Mercado óptico brasileiro representará 0,46% do PIB de 2012

Em 2012, o mercado óptico brasileiro faturou R$ 19,5 bilhões

Os hábitos do consumidor

Para realizar essa etapa da pesquisa, a GS&MD Gouvêia de Souza promoveu seis grupos de discussão na cidade de São Paulo entre homens e mulheres de 25 anos a 40 anos e de 40 anos a 55 anos das classes AB1 a B2C, usuários ou não de lentes de grau. Além de 1.400 entrevistas pessoais nas cidades de Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo com homens e mulheres das classes AB1 a B2C, usuários ou não de lentes de grau.

Usuários de armações de receituário

De 100% do público masculino, 67% usam
De 100% do público feminino,   59% usam

Até 25 anos               44%
26 anos a 30 anos    48%
31 anos a 40 anos    47%
41 anos a 50 anos    70%
51 anos a 60 anos    84%
Mais de 60 anos        96%

Usuários de óculos solares

De 100% do público masculino, 67% usam
De 100% do público feminino,    65% usam

Até 25 anos              79%
26 anos a 30 anos    77%
31 anos a 40 anos    81%
41 anos a 50 anos    63%
51 anos a 60 anos    49%
Mais de 60 anos       29%

Número médio de óculos solares por entrevistado: 3

Usuários de lentes de contato

De 100% do público masculino, 15% usam
De 100% do público feminino,    10% usam

Até 25 anos               15%
26 anos a 30 anos    18%
31 anos a 40 anos    12%
41 anos a 50 anos    17%
51 anos a 60 anos      8%
Mais de 60 anos          2%

A escolha dos produtos na óptica

As prioridades são diferentes entre os tipos de usuários

Aspectos levados em conta por usuários de armações de receituário e lentes de contato no momento da compra
Necessidade
Leitura
Trabalho
Moda

Aspectos levados em conta por usuários de óculos solares no momento da compra
Estilo
Proteção
Moda
Beleza
Estética
Modernidade
Vaidade
Status

Periodicidade de visita à óptica

Pelo menos uma vez por ano o consumidor procura a óptica
Consumidor de armação de receituário
Entre 1 vez e 1,5 vez por ano
Quando os óculos quebram                                                  49%
Quando os óculos ficam velhos ou fora de moda        27%

Consumidor de lentes oftálmicas
Entre 1 vez e 1,2 vez por ano
Quando muda o grau                                                               78%
Recomendação médica                                                          30%

Consumidor de óculos solares
2 vezes por ano
Para acompanhar novidades e tendências                    54%
Quando estão quebrados ou velhos                                 47%

Consumidor de lentes de contato
2 vezes por ano
Quando muda o grau ou acaba a validade                    65%
Quando as lentes ressecam ou danificam                     32%

A missão do profissional e da loja

O consultor e a óptica são influentes na busca de informações pelo consumidor e auxiliam na escolha dos modelos e informam sobre tecnologia. Alguns consultores são mal vistos por tentarem empurrar os produtos

Já os oftalmologistas têm maior influência para indicar lentes oftálmicas ou lentes de contato com grau

Influência na compra

A moda nas ruas é uma importante fonte de informação

A opinião de amigos e conhecidos influencia no momento da compra

Internet informa, mas não vende

A internet é um importante canal de informação. É utilizada como forma de visualização de anúncios e pesquisas de preço por 36%.

50% dos respondentes afirmam que não comprariam pela internet, pelo fato de não oferecer experimentação do produto (43%) e a falta de segurança online (37%). A impressão é a mesma para a compra por catálogos

Garantia é o maior aval de confiança

Lojas físicas são as que possuem mais características que o consumidor considera necessárias em um canal. O cliente valoriza:

Garantia                                                                                         90%
Possibilidade de experimentar os produtos                  88%
Bom atendimento                                                                      86%
Descontos e/ou parcelamento                                            85%

A competência da óptica

Variedade e atendimento técnico são fatores fundamentais em uma loja

O consumidor valoriza:
Modelos de óculos que o façam se sentir bem                                            60%
Atendimento técnico que inspira confiança                                                53%
Atendimento técnico de moda e estético que inspira confiança         44%
Área de atendimento ampla e confortável                                                   40%

Para pensar e agir

A extensão da pesquisa permitiu reunir tantas informações a ponto de gerar reflexões para planejar o crescimento do mercado, eliminando obstáculos e desenvolvendo oportunidades. Todas sempre começam com a constatação da condição do mercado por meio de uma afirmação e são seguidas por questões que convidam à reflexão.

O número de pontos de venda tende à estabilização. Como projetar o crescimento orgânico de redes? Há espaço para outro tipo de expansão?

As classes B e C respondem por 86,9% do mercado. Como desenvolver canais que falem o idioma desse consumidor?

Apesar da tendência à estagnação dos pontos de venda de óptica no país, o sudeste corresponde a 47,7% do mercado. Como distribuir melhor o varejo óptico pelas demais regiões?

O consumidor vem à óptica pelo menos uma vez por ano. Como atraí-lo para um retorno mais frequente? Como ampliar o tíquete médio?

A internet não é vista como canal de compra pelo consumidor. É hora de iniciá-lo nessa modalidade?

Os consultores ópticos são vistos como extremamente importantes no processo de compra. Estarão recebendo do varejo e da indústria a atenção necessária?

As lojas de rua detêm a preferência do consumidor. Como potencializar essas características nas lojas de rede e de shopping centers?

A localização ou o status da loja não interfere demasiadamente no valor do tíquete de compra. Como criar características originais e gerar valor?

Enviar por email

Compartilhar

Últimas edições