tamanho da letra : imprimir

A óptica no mundo

Novos capítulos da sucessão na Luxottica

Seis semanas depois de assumir como um dos CEOs da Luxottica na vaga aberta pela saída de Andrea Guerra, o executivo Enrico Cavatorta demitiu-se. O presidente e fundador Leonardo Del Vecchio assumiu interinamente o comando da empresa por cerca de dez dias até que foram anunciados os dois CEOs, levando à frente o conceito anunciado por Del Vecchio na saída de Guerra, o da liderança compartilhada. Na Luxottica há nove anos, o italiano Massimo Vian, ficará responsável por produtos e operações, e o londrino Adib Mehboob-Khan, até então executivo de longa data da Procter & Gamble, cuidaá dos mercados. Além disso, compartilharão as funções corporativas.

Enviar por email

Compartilhar

Na edição anterior, a VIEW anunciou nestas páginas que era chegado o fim da “Era Andrea Guerra” na Luxottica após dez anos da gestão do primeiro CEO profissional na corporação italiana. Além da saída de Guerra, o empresário Leonardo Del Vecchio, fundador e presidente da Luxottica, anunciou a estratégia da liderança compartilhada (isto é, dois CEOs – do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo), nomeando seu CFO (do inglês, sigla para “Chief financial officer”, isto é, diretor financeiro), Enrico Cavatorta, como um dos novos diretores executivos e anunciando a busca por um segundo comandante.

Mas, desde então, a história ganhou capítulos eletrizantes, que foram muito além do anúncio do segundo CEO. Cerca de 40 dias após ser nomeado como um dos CEOs, o executivo Enrico Cavatorta, com 15 anos de Luxottica, entregou seu cargo.

Desacordos – No final de um domingo, mais precisamente o 12 de outubro, a Luxottica anunciou que Cavatorta demonstrou sua intenção de se demitir “após uma sequência de desacordos sobre a atual estrutura de governança”. Segundo a agência de notícias financeiras Bloomberg, a imprensa italiana sugeriu que as tentativas da mulher de Del Vecchio, Nicoletta Zampillo, de aumentar sua influência dentro da Delfin (a holding familiar que controla a Luxottica) estavam na raiz do confronto do fundador com Cavatorta.

Dois dias antes do anúncio da saída de Cavatorta (a sexta-feira, 10 de outubro), as ações da Luxottica, que por anos foram consideradas por analistas financeiras como uma das melhores escolhas e as mais bem-sucedidas entre as companhias globais baseadas na Itália, fecharam em € 41,08 o valor unitário, um pouco acima dos € 40,84 do dia da saída de Andrea Guerra (1º de setembro). Na segunda-feira, 13 de outubro, o valor das ações na abertura dos mercados caiu para € 36,86 e fechou o dia em € 37,29.

Além do anúncio da saída de Cavatorta no dia 12, a Luxottica comunicou que Del Vecchio propôs uma reorganização da Delfin, a holding familiar que detém os 66% da Luxottica, com o objetivo de aprimorar sua liderança, separando a propriedade da gestão dos portfólios da empresa.

Segundo o jornal inglês Financial Times, parece que há um esforço em curso de reduzir a influência da família no conselho da Luxottica. Além do anúncio da saída de Cavatorta na noite do dia 12, a Luxottica comentou que o filho mais velho dos seis de Del Vecchio, Claudio Del Vecchio, não será reapontado como diretor ao fim de seu mandato – o que ocorrerá, segundo um porta-voz, após a aprovação dos resultados finais de 2014, prevista para o final de março -, enquanto negou que o nome de outro de seus filhos (Leonardo Maria Del Vecchio, 20 anos), estivesse sendo cogitado para uma vaga no conselho.

Líder interino – A reunião extraordinária do conselho executivo convocada por Del Vecchio para a segunda-feira, 13 de outubro, confirmou a demissão do ex-CEO, Enrico Cavatorta e do executivo Roger Abravanel (líder da consultoria norte-americana McKinsey até 2006) pelas mesmas razões.

A reunião também serviu para que Del Vecchio indicasse o executivo Massimo Vian, atual COO (do inglês, “Chief Operating Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo de operações), para a vaga de CEO então ocupada por Cavatorta, mas ficou decidido que Vian só seria oficializado no cargo ao mesmo tempo que fosse anunciada a contratação do segundo CEO. Com isso, Del Vecchio assumiu interinamente as responsabilidades dos co-CEOs até que o processo de seleção fosse finalizado.

Dez dias depois, Del Vecchio submeteu ao conselho executivo da Luxottica o executivo veterano da Procter & Gamble, o londrino Adil Mehboob-Khan, como candidato à vaga de CEO ao lado de Vian. Além de aprovar Mehboob-Khan e Vian como co-CEOs, o conselho também divulgou Marco Mangiagalli para substituir Roger Abravanel.

Só em janeiro – Mehboob-Khan e Massimo Vian serão efetivados na posição de co-CEOs em janeiro – ao primeiro caberá a responsabilidade pelos mercados e ao segundo, por produtos e operações. Além disso, compartilharão as funções corporativas. Até lá, Vian acumulará interinamente as funções do duplo comando na Luxottica.

Nascido em Londres, Mehboob-Khan é filho de pai paquistanês e mãe ítalo-húngara e cresceu em Roma. Graduou-se em Engenharia pela Universidade de Londres e, em 1987, começou sua carreira na Procter & Gamble, que o levou a comandar grandes organizações pelo mundo afora com crescentes responsabilidades em diferentes categorias de produtos, residindo tanto na Europa como nos Estados Unidos. Desde 2011, atuava como presidente da Wella, que foi adquirida pela Procter & Gamble em 2004 e tem aproximadamente 4 mil empregados em 50 países.

A biografia de Mehboob-Khan divulgada pela Luxottica descreve-o como “um expert em estratégia e operações, que se destaca pela sua habilidade de liderança, que acredita em estruturas hierárquicas de poucos níveis em que a execução das tarefas ocorre rapidamente e a paixão pela vitória e a iniciativa deve ser irrestrita”.

Já Massimo Vian formou-se em Engenharia de gestão na Universidade de Padova, Italia, e mudou-se para Londres em 1999. Trabalhou nas áreas de marketing e engenharia industrial de empresas relacionadas ao setor automotivo. Em 2005, assumiu como diretor da divisão de engenharia industrial da Luxottica. Depois de um ano dividido entre Itália e China, tornou-se diretor de operações para a Ásia. Ao longo dos três anos e meio seguintes, viveu na China e foi responsável por dobrar o tamanho do braço de produção asiático, composto por 7 mil funcionários, com altos níveis de produtividade e qualidade.

Em seguida, voltou para a Itália como COO, assumindo, pela primeira vez, posição que combinava responsabilidade para pesquisa e desenvolvimento, engenharia e cadeia de fornecimento global. Ao mesmo tempo, gerenciou a rede de laboratórios norte-americanos do braço de varejo da Luxottica e a fábrica da Oakley, na Califórnia. Em 2013, recebeu a responsabilidade adicional de chefiar a fábrica da Tecnol no Brasil, adquirida pela Luxottica em 2010.

A Luxottica informa que Vian “se distingue pela capacidade de inovação, que ele demonstrou ao implementar o novo sistema de produção industrial, o Lean System, que revolucionou os processos de produção da indústria óptica de forma global. Sua energia e paixão por tecnologia também levaram à parceria com o Google, com equipes de pesquisa e desenvolvimento que trabalham para introduzir novos dispositivos da tecnologia vestível”.

Além disso, o conselho indicou o executivo Stefano Grassi como novo diretor financeiro da Luxottica. Com cinco anos de empresa, Grassi sucede Enrico Cavatorta. Sua função mais recente foi a de auditor financeiro e agora, na condição de CFO, trabalhará com os dois CEOs.

Consultor do governo – Em 3 de dezembro, o Financial Times noticiou que o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi nomeou o ex-CEO da Luxottica, Andrea Guerra, como consultor sênior para negócios, finanças e indústria a fim de reforçar os laços do governo com as empresas com o objetivo de implementar extensas reformas econômicas. Desde que Renzi assumiu o cargo, em fevereiro, começaram a circular rumores da ida de Guerra para ocupar uma função no governo.

Hoje, com 49 anos, Guerra foi o primeiro CEO profissional da Luxottica e mais que dobrou a receita da maior corporação de óptica do planeta, fechando 2013 com € 7,3 bilhões e produção de mais de 77 milhões de peças. O executivo expandiu as operações globalmente e comandou uma série de aquisições, incluindo a compra da Oakley em 2007 e da indústria brasileira Tecnol em 2011.

Aos 80 anos, Del Vecchio é considerado uma figura quase mitológica no universo italiano dos negócios. Fundou a Luxottica em 1961 e é o segundo homem mais rico do país com fortuna avaliada em € 20 bilhões. Em 2004, contratou Guerra, que vinha de outra empresa famíliar, a Indesit (fabricante de produtos de linha branca), para substituí-lo na função de CEO, raro exemplo na Itália de um patriarca delegando um cargo de liderança dos negócios já na primeira geração.

Segundo o Financial Times, Del Vecchio, que ainda detém dois terços das ações da gigante italiana, pagou caro pela saída de seu primeiro CEO. Guerra levou um pacote de indenização de € 11,5 milhões, incluindo € 10 milhões pela “demissão voluntária”, além de um adicional de € 34 milhões pelas 800 mil ações das quais era dono, que foram compradas pelo próprio Del Vecchio ao preço de € 41,50 por ação.

CFDA

Grupo de óptica na moda
Em outubro, o Conselho norte-americano de designers de moda (Council of Fashion Designers of America, mais conhecido pela sigla “CFDA”) adicionou um novo grupo a seu universo: o dos designers ópticos, passo estratégico após a entrada de vários criadores do Planeta Óculos na entidade. O novo time tem por meta “inspirar, fortalecer e promover a consciência do design óptico e a vitalidade do mercado óptico por meio de promoção, educação, orientação e ações colaborativas.

São 12 os membros do design óptico: Barbara McReynolds e Gai Gherardi (l.a.Eyeworks), Blake Kuwahara (Focus Group West), Christian Roth (Optical Affairs), Daniel Silberman (Illesteva), Grant Krajecki e Natalie Levy (Grey Ant), Larry Leight (Oliver Peoples), Patty Perreira (Barton Perreira), Robert Marc (Robert Marc), Selima Salaun (Selima Optique) e Shane Baum (Leisure Society). O comitê executivo é formado por Roth, Gai, Selima e Kuwahara, tendo Roth como porta-voz.

O novo grupo tem duas metas específicas de trabalho: as parcerias em desfiles ou colaborações em coleções de prêt-à-porter e a realização, em 2015, de um evento de imprensa do CFDA para apresentar os designers ópticos – em 2013, o CFDA promoveu algo do gênero para o segmento de designers de joias destinado não somente à imprensa, mas também a lojistas. Além disso, o novo grupo atuará nas ações de caráter social relacionadas às indústrias óptica e da moda.

“O grupo de designers ópticos é um grande exemplo do poder de ser membro do CFDA”, definiu o CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da entidade, Steven Kolb. “A formação desse grupo valoriza o importante papel que esses criadores desempenham não apenas no segmento de acessórios, mas também na indústria de moda norte-americana de forma geral”.

Fundado em 1962, o CFDA é uma associação comercial sem fins lucrativos que lidera as iniciativas da indústria da moda no país e atualmente conta com mais de 480 membros, incluindo designers de moda feminina, masculina, joalheria e acessórios. Além de promover anualmente o CFDA Fashion Awards, espécie de Oscar da moda norte-americana que reconhece talentos criativos em várias categorias, oferece programas que apoiam o desenvolvimento de profissionais e bolsas de estudo, como o CFDA Fashion Incubator, o Geoffrey Beene Design Scholar Award, além do CFDA – Vogue Fashion Fund e do CFDA – Teen Vogue Scholarship, ambos em parceria com a revista Vogue norte-americana.

Essilor

No ranking da inovação
Pelo quarto ano consecutivo, a Essilor figurou na lista de empresas mais inovadoras do mundo como Unilever, Netflix e Amazon, produzida pela revista de negócios norte-americana Forbes. A corporação óptica é a 49ª no ranking geral e a terceira que mais investe em inovações em seu país natal, atrás da companhia de moda e artigos de couro de luxo Hermès, que ocupa a 13ª posição, e da empresa de telecomunicações Iliad, no 29º lugar.

A Essilor investe mais de € 150 milhões por ano em pesquisa e inovação. Os produtos lançados nos últimos quatro anos já contabilizam 40% do total de vendas e mais de uma centena de patentes em 2013.

Como parte de sua estratégia centrada na inovação, a corporação francesa uniu forças com uma ampla rede de parceiros internacionais, como universidades, fabricantes e especialistas em tecnologia de ponta, como o Vision Institute, na França, e o Nikon-Essilor International Joint Research.

O ranking da Forbes identifica empresas na vanguarda do progresso tecnológico, as quais se destacam pelas chances de serem mais bem-sucedidas – tanto no presente como no futuro. A classificação das empresas é realizada com base em sua remuneração de inovação, isto é, a diferença entre o valor de mercado e o valor líquido do fluxo de caixa.

Warby Parker

Expansão física
Inicialmente um site norte-americano de óptica que se destacou no mercado por conta de sua postura revolucionária e iconoclasta com a comercialização de armações de receituário e lentes de grau online e que também entrou no ramo do varejo físico, a Warby Parker dá sequência a sua expansão com a abertura de uma loja em Los Angeles.

O novo ponto de venda, situado na região de Venice Beach, quarteirão que reúne butiques ecléticas, restaurantes artesanais e influentes galerias de arte e foi considerado “o mais legal da América” pela top revista masculina GQ.

O design da nova loja faz referências à região, tal qual a mobília do meio do século inspirada nos célebres arquitetos Frank Gehry e Charles e Ray Eames, que deixaram sua marca naquela área. A fachada azul brilhante foi criada pelo artista local Geoff McFetridge.

O novo ponto de venda da Warby Parker de Los Angeles se junta a lojas em Nova York (3), Los Angeles, Boston e Dallas, além de showroons dentro de lojas em Los Angeles (2), Miami, Chicago, Oklahoma, Filadélfia, Nashville e Richmond.

Marchon

Etro na casa
Na primeira quinzena de outubro, a norte-americana Marchon anunciou a adição de mais uma grife de moda a seu portfólio. Trata-se da assinatura do acordo para criação, fabricação e distribuição da coleção de armações de receituário e óculos solares da casa de moda italiana Etro, que será lançada em setembro e será comercializada mundialmente nas butiques da marca e em ópticas selecionadas.

A Etro foi fundada em 1968 pelo economista e amante das viagens pelo mundo afora Gerolamo “Gimmo” Etro. Ao longo dos anos, a marca se tornou conhecida pelas estampas de seus tecidos, especialmente o motivo “Paisley”, e hoje em dia é célebre tanto pelas coleções femininas e masculinas quanto pelos perfumes e a linha de artigos para casa.

“A criação de uma linha de óculos é mais um passo no caminho criativo e estilístico da Etro, que contribui para o fortalecimento da identidade da marca e da sua tradição”, afirmou o diretor criativo das coleções de acessórios da grife, Jacopo Etro.

8335

8336

Silhouette e Adidas

Extensão do contrato
A corporação austríaca de óptica e a célebre marca esportiva comunicaram a extensão de seu atual contrato de licenciamento, assinado 22 anos atrás, para mais cinco anos e que agora incluem a submarca “Performance”, em vigor até o final de 2019.

“A Silhouette se concentra em apenas duas marcas para oferecer um desempenho superior – Silhouette e Adidas”, afirmou o CEO da Silhouette International, Daniel Rogger. “Essa futura colaboração com a Adidas prevê foco exclusivamente no segmento de Performance e deixará de oferecer a linha Adidas Originals”.

A fábrica austríaca especializada em óculos premium, ainda um negócio de família, continuará a estabelecer os padrões de óculos para a prática de esportes sob a marca Adidas. As coleções são produzidas atualmente nas fábricas de Linz (cidade-sede da Silhouette) e em Trhové Sviny, República Checa.

Mykita

Casa nova
A marca alemã de design óptico tem uma nova sede desde agosto. A companhia baseada em Berlim ocupa agora um prédio datado de 1902 na descolada região de Kreuzberg.

A construção de cinco andares é composta por dois prédios e duas asas, que fornecem um extenso patio ao ambiente. A produção fica no térreo e no primeiro andar. Os demais andares, que somam um total de 5 mil metros quadrados, abrigam as áreas de design de produto, construção de protótipos, design corporativo, marketing e relações públicas, qualidade, bem como logística, vendas internacionais e varejo.

A iluminação da nova sede foi inspirada no conceito das lojas Mykita: tubos de neon são fixados em metal perfurado como se fosse uma instalação. Tal qual na Mykita Wall (a parede construída em todos os pontos de venda) a luz entra nos ambientes somente através das partes transparentes. O planejamento e o design de interior ficaram a cargo da própria Mykita.

Um pelicano dourado e o logotipo da Pelikan na fachada envidraçada é um lembrete do fabricante dos artigos de papelaria que ocupou o prédio de 1933 a 1970. Agora, os finos tubos de neon do logotipo da Mykita juntam-se ao pássaro para então completar a transformação do ambiente na “Mykita Haus” (do alemão, “Casa Mykita).

8338

Marcolin

Reestruturação nos Estados Unidos
Nos últimos dias de setembro, a Marcolin anunciou a próxima etapa da integração com a Viva Group, empresa que adquiriu em dezembro de 2013. Essa nova etapa, segundo o comunicado da corporação italiana, inclui “a reestruturação dos negócios para aumentar ainda mais o foco no consumidor e conduzir o portfólio de marcas mais próximo do mercado, garantindo um nível maior de eficiência em toda a organização”.

Como parte do processo de integração, ficou decidida a fusão, até o final do ano, da matriz norte-americana da Marcolin, que fica em Scottsdale, estado do Arizona, à sede de Nova Jersey, que, até então, abrigava a Viva. Ainda segundo a Marcolin, “a união das matrizes em Nova Jersey deixará a empresa mais perto dos clientes, reduzirá níveis gerenciais e alavancará as eficiências a fim de aumentar a velocidade de entrada no mercado de forma global”.

Como parte desses esforços, o CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Marcolin Estados Unidos, Fabrizio Gamberini, revelou que a empresa está investindo em um novo centro de distribuição em Nova Jersey com a implementação de tecnologias automatizadas, instalando o software de gestão da SAP e partindo do início até o varejo para garantir que as ópticas ofereçam experiências de compra de alto nível aos consumidores. Gamberini ainda acrescentou que “a decisão de combinar a força de trabalho da matriz de Scottsdale com a de Nova Jersey foi difícil, mas fortalecerá os negócios de forma que a Marcolin continue entregando lucratividade e crescimento em longo prazo”. Em 2013, a corporação italiana vendeu cerca de 13,4 milhões de óculos de mais de 1.350 modelos.

Essilor

Laboratórios nos Estados Unidos
A corporação francesa de lentes oftálmicas anunciou nos Estados Unidos a aquisição do QC Optical, laboratório atacadista com filiais em Portland, estado do Oregon, e Spokane, em Washington. Os termos da transição permaneceram em sigilo. Nas semanas seguintes, a Essilor fechou as duas filiais para fundir a QC Optical com a Opti-Craft, outro laboratório em Portland.

Safilo

Redesenho da Smith
A Safilo comunicou no final de outubro a sua decisão de relocar as funções-chave da Smith, sua marca norte-americana esportiva, de sua atual sede em Ketchum, estado norte-americano de Idaho para o que se tornará um novo Centro de design de esportes globais e estilo de vida ao ar livre baseado em Portland, estado norte-americano do Oregon.

A Smith tem sido gerida como uma divisão própria da Safilo e agora passará a fazer parte da Safilo Group, mantendo, porém, seu foco dedicado. A CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) Luisa Delgado declarou que a Safilo acredita na Smith e está tomando decisões destinadas a desenvolver ainda mais a marca de forma sustentável em todo o mundo. Para isso, é preciso criar uma plataforma mais eficiente e a Smith pode se beneficiar fortemente das sinergias decorrentes da Safilo Group como um todo. É necessário, portanto, se organizar para aproveitar essas oportunidades.

“A decisão foi tomada após uma análise profunda realizada no ano passado em colaboração com o time de liderança da Smith”, informou o comunicado da empresa, “com o objetivo de evoluir a Smith de sua forte posição na prática de esportes na neve nos Estados Unidos para uma marca global de eyewear”.
Luisa Delgado visitou a sede da Smith em Ketchum para discutir o plano, a estratégia e a visão para o futuro da marca com todos os funcionários. Além disso, está prevista uma reunião com os principais representantes da comunidade local de forma a discutir como manter uma herança duradoura para a marca, fundada há 50 anos.
A estratégia da Safilo se baseia nos pontos fortes da Smith e acrescenta outros novos, a fim de alcançar o pleno potencial global da marca, segundo o comunicado, destacando quatro decisões importantes em relação aos futuros locais de Smith:

. Portland (Oregon) foi escolhido como o local da Costa Oeste e servirá como “base de inspiração para as atividades de produto do segmento esportes globais e estilo de vida ao ar livre. Consequentemente, as áreas de design, desenvolvimento de produtos, marketing, arte e e-commerce mudarão para Portland. Por isso, a sede de Portland se tornará o Centro de design de esportes globais e estilo de vida ao ar livre, local de criação e desenvolvimento de todas as potenciais marcas e produtos futuros destinados a esse segmento de consumidores.

. A fabricação das máscaras para prática de esqui (ou “goggles”, termo pelo qual são denominadas na língua inglesa) de todas as marcas esportivas da Safilo será concentrada na unidade produtiva de Clearfield, estado de Utah, atual sede do centro de produção e distribuição da Smith.

. Alinhada com a meta da Smith de se tornar uma marca global e parte integrada do portfólio da Safilo, o negócio global Smith será conduzido pelo quartel-general Safilo na Itália, lado a lado com outras marcas proprias globais da Safilo como Carrera, Polaroid, Safilo e Oxydo.

. A fim de possibilitar a sinergia, as áreas de Tecnologia da informação, Recursos humanos e Finanças serão transferidas para Parsippany, estado de Nova Jersey, sede da Safilo Estados Unidos.

O comunicado segue informando que “o objetivo é escrever um novo capítulo global de Smith a partir de vários locais estratégicos que permitam à Safilo projetar o futuro da marca capturando importantes sinergias e oportunidades de integração no seio da família Safilo. Tanto a Safilo como a Smith estão plenamente conscientes e muito sensíveis às implicações desse plano para todos os funcionários e a comunidade em Ketchum. Consequentemente, essa transição será implementada com cuidado e de forma gradual entre 2015 e 2018”.

Luxury Optical Holdings
Aquisição de Robert Marc
A Luxury Optical Holdings (Loh) anunciou a compra da empresa privada de óculos de luxo Robert Marc Eyewear, incluindo suas subsidiárias de atacado e varejo. A Loh pertence às firmas de investimento aPriori Capital Partners e Goode Partners, LLC. Os termos da negociação não foram divulgados.

A Robert Marc Eyewear comercializa suas coleções de óculos em mais de 20 países por meio de 500 pontos de venda, em distribuidores exclusivos nas Américas, na Europa, no Oriente Médio, na Ásia e na Austrália. Além disso, era oito lojas Robert Marc na cidade de Nova York e é a distribuidora exclusiva da luxuosa marca de óculos alemães Lunor.

Com essa aquisição, a Loh passa a contar com 58 lojas pelos Estados Unidos, já que, desde setembro de 2013, realizou a compra de outras três redes de óptica de luxo (Leonard Opticians, Opticians 3 e Specs Optical), além da aquisição em anos anteriores de vários outros importantes varejistas de luxo como a Au Courant Opticians, Lunettes, Morgenthal Frederics e Optical Fashion Center.

O designer óptico Robert Marc, fundador da companhia de mesmo nome, junta-se à Loh na condição de diretor criativo. “Estou muito entusiasmado em trabalhar com a Loh e acelerar os planos de crescimento da empresa. Enquanto a estratégia continuará focada na distribuição selectiva e no discreto trabalho de marca, que é fundamental para a conveniência e a exclusividade de produtos Robert Marc, a Loh auxiliará a desenvolver ainda mais a marca Robert Marc, expandir os relacionamentos no varejo e fortalecer as capacidades operacionais”, revelou o designer óptico.

Robert Marc abriu sua primeira loja em 1981, que foi considerada a primeira das butiques de luxo que levaram os óculos para a vanguarda da moda. Ao longo dos anos, atendeu uma ampla clientela de celebridades e seu design marcou presença das ruas mais elegantes às passarelas de designers, além de produções televisivas e cinematográficas.

Essilor

Aquisição na Rússia
A Essilor divulgou no final de outubro a compra da participação majoritária da Company Grand Vision, uma grande distribuidora de lentes oftálmicas e lentes de contato na Rússia, com receita anual de cerca de € 29 milhões. A empresa continuará a ser gerenciada pelo atual time de liderança e auxiliará a Essilor a fortalecer sua estratégia de multicanal no país.

A companhia francesa incluiu essa novidade na divulgação dos resultados do terceiro trimestre, observando que essa aquisição confirma a natureza estratégica desse mercado de mais de 140 milhões de pessoas, em que menos de um terço da população tem sua visão corrigida e o crescimento do mercado é impulsionado pela forte demanda por produtos de valor agregado, tais como as lentes progressivas e de alto índice.

Além da Rússia, a Essilor anunciou que assinou na China, com a Xiamen Yarui Optical, subsidiária em que mantém 50% do controle acionário, um acordo para se tornar acionista majoritária na companhia que detém a marca Prosun, que gerou receita de cerca de € 7 milhões em 2013 e desenha, produz e vende óculos solares no crescente segmento de preço médio no país.

Marcolin

Joint venture na China
A companhia italiana e o Ginko Group, operador de longa data no mercado óptico chinês, anunciaram a criação de uma joint venture (do inglês, algo como “empreendimento conjunto” e expressão do mundo dos negócios que denota a associação de empresas para a realização de um novo empreendimento comercial) para atuar no mercado local.

O objetivo do acordo, afirmaram as empresas em um comunicado, é melhorar a presença dos parceiros na China continental, além de expandir e fortalecer o desenvolvimento de distribuição direta de produtos Marcolin na região. A nova empresa se chama “Ginlin Optical Shangai Ltd.”, é baseada em Xangai e com 50% das ações para cada.

O Ginko Group é uma das maiores companhias de óptica do mundo que fala chinês, fabricante e distribuidor de longa data de lentes de contato, incluindo a marca Hydron. Produz também uma série de artigos relacionados ao mercado óptico como armações de receituário, óculos solares, lentes de contato, soluções para lentes de contato e estojos para óculos.

O Ginko tem duas empresas cotadas na bolsa de Taiwan e uma equipe de mais de 5 mil funcionários na Ásia. Em 2013, o volume de negócios totalizou US$ 500 milhões.

Safilo

Escola de produto
A Safilo divulgou o lançamento de uma escola de produto, a partir de 2015, oferecendo aprendizagem de três anos até dez jovens profissionais todos os anos. Segundo a corporação Italiana, a criação da Safilo Product School tem por objetivo fornecer a jovens aprendizes a oportunidade de começar suas vidas profissionais estabelecendo o domínio fundamental em todas as funções do produto e, em seguida, iniciar um plano de carreira na Safilo a fim de formar novas gerações de diretores de produtos.

“A Safilo Product School reflete o compromisso da empresa com a habilidade na produção dos óculos, a inovação e o futuro”, afirmou a CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Safilo, Luisa Delgado. “Dessa forma, a Safilo combina a sua tradição de produto com inovação magistral, que as gerações futuras criarão quando for dada a oportunidade de aprender. Nós da Safilo aspiramos dar uma contribuição sustentável para a juventude, a indústria e a região, indo além da própria empresa.”

A entrada no programa de aprendizado é feita por meio de seleção e é aberto a estudantes provenientes de institutos técnicos ou universidades. O programa será desenvolvido sob as melhores práticas de aprendizagem internacionais combinado com a aprendizagem no trabalho e rotação de funções.

O foco do programa será sobre criação de produto, desde a concepção até o desenvolvimento, da prototipagem à fabricação, materiais, qualidade, preço e conceito de venda de produto. Além disso, o programa também vai abranger o desenvolvimento de competências de gestão e competências comportamentais, inspirados pelo jeito de fazer negócios da Safilo, guiado por seus valores e princípios.
O treinamento formal será administrado em colaboração com parceiros nacionais e internacionais, incluindo universidades, institutos de certificação de produtos técnicos e ópticos, rede de clientes e fornecedores da Safilo, complementada por sua própria equipe de gerenciamento global.

A Safilo Product School contará com o apoio dos seus parceiros de licenciamento, que irão desempenhar um papel ativo na qualificação dos aprendizes no final do programa. Um ponto do programa já foi confirmado, patrocinado pela Dior. “A Dior representa os mais altos padrões de qualidade do produto, com trabalho à mão, pesquisa e inovação”, acrescentou o presidente e CEO da Christian Dior Couture, Sidney Toledano. “A Safilo Product School reflete o compromisso comum na construção de competências e valores para as gerações futuras e a Dior está muito satisfeita em apoiar a Safilo.”

8340

8341

8342

Enviar por email

Compartilhar

Últimas edições