tamanho da letra : imprimir

A óptica no mundo

Um giro pelo universo óptico

Enviar por email

Compartilhar

Google Glass

Parceria com DVF
O namoro do Google Glass com o universo fashion começou em setembro de 2012. Foi na Semana de moda de Nova York, quando os óculos inteligentes do gigante da internet estrearam na passarela de primavera – verão 2013 da estilista Diane Von Furstenberg. Modelos e criadora usaram a inovação nos bastidores e durante o desfile, ação que gerou o curta metragem DVF Through Glass (do inglês, algo como “DVF”, as iniciais do nome da estilista “através do Google Glass”). Naquela altura, era apenas o lançamento prévio do produto, comercializado apenas para programadores.

Com o passar do tempo, o Glass rapidamente se tornou o ícone da tecnologia vestível, já é comercializado nas boas lojas e sites do ramo nos Estados Unidos e, em março, um novo anúncio impactou o mercado: a parceria entre Luxottica e Google para criar novas versões do Glass das marcas Oakley e Ray-Ban.

Em junho, mais uma novidade: um novo fruto da parceria com a estilista Diane Von Furstenberg, com o lançamento da DVF | Made for Glass Collection, série limitada de armações de receituário e óculos solares apresentada na edição 2015 da temporada Resort (na Europa e nos Estados Unidos, coleção que chega às lojas entre novembro e dezembro e oferece uma variedade de acessórios e roupas leves e confortáveis, mas luxuosas), produzida em parceria com o Google e a Marchon, corporação de óptica que detém a licença mundial para criação, produção e distribuição da coleção de óculos da estilista.

A coleção, composta por cinco armações de receituário e oito modelos solares, está sendo comercializada exclusivamente online em www.net-a-porter.com e no próprio site do Glass. Segundo o Google, o Net-A-Porter oferecerá combinações com o Glass em si, um par de receituário e um de solares por US$ 1,7 mil. Já o Google vende os itens separadamente (o Glass por US$ 1,5 mil; o solar por US$ 120 e a armação por US$ 225).

5022 5026

Tecnologia vestível versão fashion: o resulatdo da parceria entre Google Glass, Diane Von Furstenberg e Marchon

Tecnologia vestível versão fashion: o resulatdo da parceria entre Google Glass, Diane Von Furstenberg e Marchon

Synsam

Compra na Escandinávia
Fundos administrados pela CVC Capital Partners adquiriram da investidora Alipes AB a Synsam Nordic A/S, a mais importante rede de óptica da Escandinávia com mais de 420 lojas próprias e unidades franqueadas na Dinamarca, na Suécia e na Noruega – nesses dois últimos países, opera sob a marca Synsam; já em solo dinamarquês, sob a marca Profil Optik. Na Finlândia, funciona por meio de um acordo de cooperação com uma rede local também sob o nome Synsam. A empresa fechou 2013 com receita de 3 bilhões de coroas suecas (cerca de US$ 440 milhões) e 2,6 mil funcionários.

A origem da Synsam remete a 1968, quando ópticas independentes na Suécia uniram forças sob uma marca comum. Entre 2007 e 2009, a Alipes AB (empresa de investimentos focada em varejo e consumo, de propriedade da Inter Ikea Investiments e da Ikano), realizou em parceria com os donos das lojas mais de 200 aquisições individuais de pontos de venda da Synsam e da Profil Optik na Dinamarca, na Noruega e na Suécia.

Google e Alcon

Parceria para lentes de contato
Em A óptica no mundo da VIEW 138, o leitor já foi informado sobre o anúncio do Google, em janeiro, de desenvolver lentes de contato inteligentes para portadores de diabetes capazes de monitorar, por meio da lágrima, os níveis de glicose. Naquela altura, os criadores do projeto, os cientistas Brian Otis e Babak Parviz, explicaram que estavam testando um protótipo da lente de contato inteligente que utiliza um minúsculo chip sem fio e um sensor de glicose miniaturizado incorporado entre duas camadas do material da lente.

Seis meses depois, mais precisamente, em 15 de julho, a Alcon, empresa de cuidados visuais da Novartis, divulgou um acordo com o Google X, a divisão do gigante da internet focada em inventar novas soluções para grandes problemas globais, a fim de licenciar a tecnologia de lentes de contato inteligentes para todos os fins médico-oculares.

O acordo prevê que o Google X e a Alcon trabalharão em parceria para desenvolver lentes inteligentes com o potencial de tratar várias condições oculares. O interesse da Novartis está focado em duas áreas. A primeira é auxiliar os portadores de diabete a gerenciar a doença fornecendo contínua e minimamente invasiva medição dos níveis de glicose conectando-se sem fio por meio de um dispositivo móvel (smartphone, por exemplo).

A segunda é destinada aos presbitas que já não conseguem ler sem óculos. A lente inteligente teria o potencial de proporcionar a acomodação da visão a fim de restaurar o autofoco natural do olho em objetos próximos, na forma de uma lente de contato ou intraocular acomodativa, como parte do tratamento da catarata refrativa.

Segundo o CEO da Novartis, Joseph Jimenez, a parceria com o Google “é um passo fundamental para ir além dos limites do jeito tradicional de gestão das doenças, a começar pelo olho”, disse o CEO da Novartis, Joseph Jimenez.

Já o cofundador do Google, Sergey Brin, comentou que “o sonho do Google é usar a tecnologia mais avançada na miniaturização da eletrônica a fim de contribuir para melhorar a qualidade de vida de milhões de pessoas. Estou muito animado em trabalhar com a Novartis para tornar esse sonho em realidade”.
A transação está sujeita à aprovação dos órgãos regulatórios.

2351

The Vision Council

Proteção contra o ultravioleta
Muitos norte-americanos ainda não têm noção dos danos causados aos olhos por conta da exposição prolongada aos raios ultravioleta. É o que revela a pesquisa anual sobre o tema produzida pelo The Vision Council, a entidade número um de óptica nos Estados Unidos, que tem trabalhado para educar os consumidores sobre os benefícios em curto e longo prazos do uso frequente de óculos solares com lentes dotadas de proteção contra os raios ultravioleta – hábito que menos da metade da população, isto é, 46%, tem colocado em prática.

A pesquisa também indicou que:
 46% dos adultos declararam que usam óculos solares apenas em dias de sol – expondo, assim, seus olhos à radiação ultravioleta presente também nos dias parcial ou totalmente nublados.
 35% entre os que responderam usar óculos solares não sabiam se seus óculos tinham lentes com proteção contra os raios ultravioleta; 10% declararam que seus óculos não tinham nenhuma proteção.
 49% não tinham conhecimento que a exposição prolongada à radiação ultravioleta pode acelerar o surgimento da catarata.
 27% – somente! – declararam guardar seus óculos solares em estojos; a maioria joga-os dentro da bolsa, deixa-os no painel do carro ou em bancadas. Resultado: arranhões podem danificar a proteção contra os raios ultravioleta das lentes e o calor pode deformar os óculos.
O relatório completo da pesquisa, em inglês, está disponível para consulta ou download em http://goo.gl/mhijp1.

Essilor

Aquisição do Coastal.com
A Essilor International comunicou a aquisição de todas as ações ordinárias (aquelas que proporcionam participação nos resultados da empresa e conferem ao acionista o direito de voto em assembléias gerais) em circulação do Coastal.com, um dos mais importantes sites de vendas de produtos ópticos.

Com sede na cidade de Vancouver, no Canadá, o Coastal.com produz e comercializa uma extensa oferta de armações de receituário (vendidas com e sem lentes prescritivas), óculos solares, lentes de contato e acessórios e teve receita de 218 milhões de dólares canadenses (cerca de US$ 202 milhões) no ano fiscal que se encerrou em 31 de outubro. A transação foi fechada por 12,45 dólares canadenses (cerca de US$ 11,6) o valor unitário da ação, o que representa um valor patrimonial de cerca de 430 milhões de dólares canadenses.

Segundo o CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Essilor, Hubert Sagnieres, “a aquisição do Coastal.com está totalmente alinhada com os esforços da Essilor em fazer da internet um poderoso motor de crescimento de todo o setor óptico. As vendas online têm um forte potencial de crescimento e essa plataforma, usada corretamente pela Essilor, vai colaborar para educar os consumidores e torná-la mais conveniente para que desfrutem de boa saúde visual, beneficiando assim todos os segmentos do mercado”.
Com a aquisição, o Coastal.com passa a ser dirigida pelo executivo Roy Hessel, que também atua como presidente das iniciativas online da Essilor of America. O fundador e até então CEO do site, Roger Hardy, permanecerá como consultor nos próximos três anos.

Em entrevista concedida com exclusividade ao VMail, o informativo virtual do Vision Monday, o presidente da Essilor of America, John Carrier, explicou que a aquisição é estratégica e permitirá a Essilor, que já possui dois outros varejistas online (o EyeBuyDirect.com e o FramesDirect.com), expandir significativamente sua presença virtual e sua capacidade de atuar em vários canais. “A internet complementa os canais de distribuição tradicionais, que continuam sendo número um na capacidade de promover valor agregado na tomada de medidas e no serviço aos usuários. A Essilor está alerta para que o avanço das vendas online de produtos ópticos não se dê em detrimento da segurança do consumidor e da qualidade do desempenho do produto”, declarou.

Carrier destacou também a combinação particular do Coastal.com de tamanho, múltiplos países que opera e diversidade de produtos: armações de receituário, óculos solares e lentes de contato. O site atua em cerca de 12 nações, incluindo Austrália, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Japão, Noruega, Nova Zelândia e Suécia.
O executivo também comentou que não há planos de combinar seus três negócios online, já que cada um tem sua identidade. “As três marcas permanecerão as mesmas e o nome Essilor não ficará visível aos consumidores, da mesma forma que nos outros negócios da empresa”, acrescentou.

Embora o Coastal.com também comercialize lentes oftálmicas, Carrier enfatizou que a Essilor não acrescentará Varilux ao mix de produtos do Coastal ou a qualquer das suas outras operações online. “A marca Varilux requer o profissionalismo dos consultores ópticos para ser comercializada”, definiu. “Acredito que a internet é boa para prescrições de visão simples e a Essilor não promoverá a venda de lentes progressivas, que estarão disponíveis, mas a empresa vê a rede como um canal muito mais adequado à venda de lentes de visão simples”.

A Essilor promoveu uma mudança na estratégia da Coastal.com parando imediatamente a expansão internacional das lojas físicas, iniciativa que teve início no ano passado. Atualmente, são duas lojas no Canadá (Toronto e Vancouver), uma na Austrália e algumas na Suécia. “O site tinha um amplo plano de expansão de lojas físicas em vários países, mas a Essilor decidiu parar essa expansão e as unidades existentes deverão ser passadas para frente”, explicou.

Match

Vanni no portfólio
A companhia norte-americana anunciou a criação de uma nova divisão, a Design Gallery (do inglês, algo como “galeria de design”), e a primeira marca a fazer parte desse universo é a italiana Vanni, focada em design óptico. O acordo foi assinado em 1º de junho.

Original de Turim, a Vanni tem 25 anos de existência e é comercializada em mais de 40 países. A Match tem sede em Westbury, estado de Nova York, conta com centros de distribuição no Brasil, no Canadá e na Itália e distribui seus produtos para Canadá, Estados Unidos, Europa e América do Sul.

Essilor

Fusão de laboratórios
Nos Estados Unidos, a Essilor promoveu a consolidação de dois de seus laboratórios parceiros em uma única operação. São o Jorgenson Optical Supply (fundado em 1927 e adquirido pela corporação em 2005) e o Peninsula Optical Lab (fundado em 1987, negociado em 2006), ambos situados no estado norte-americano de Washington. A empresa passará a ser chamada de Jorgenson-Peninsula Optical Supply e operará na sede do Jorgenson, que fica na cidade de Tacoma, em dois turnos para garantir a rapidez nas entregas.

Os sócios da Essilor, fundadores dos laboratórios, permanecem nos negócios: John Jorgenson foi nomeado presidente do Jorgenson-Peninsula e Willie Hein, o gerente geral do Peninsula, será o gerente geral na nova empresa.

AOA, FDA e Hollywood

Alerta ao consumidor
Nos Estados Unidos, está sendo conduzida uma campanha de conscientização para o consumidor sobre os potenciais riscos de usar lentes de contato cosméticas sem prescrição adequada. Também conhecidas como “decorativas”, “fashion” ou “cosplay”, essas lentes de contato mudam a aparência dos olhos dando-lhes looks de vampiro e gato, além dos olhos totalmente brancos ou com várias cores. Usadas em filmes de Hollywood como X-Men e seriados de tevê como American Horror Story, muitas vezes criam características icônicas em personagens e despertam nos fãs o desejo de reproduzi-las.

Por conta disso, a American Optometric Association (Associação norte-americana de optometria), o Food & Drug Administration (a agência reguladora de remédios e alimentos nos Estados Unidos, mais conhecida pela sigla “FDA”) e o Entertainment Industries Council (Conselho das indústrias de entretenimento) se uniram para mostrar a dramática realidade do uso indevido das lentes de contato.

Uma série de vídeos, além de conteúdo informativo adicional, foram produzidos para promover o alerta. “O objetivo dessa importante campanha de saúde pública é sensibilizar a população, principalmente a juventude norte-americana e seus pais, sobre as graves consequências de comprar e usar lentes de contato decorativas sem prescrição correta”, afirmou a doutora em optometria Helene Clayton-Jeter, coordenadora dos programas de saúde da FDA.

VisionWeb

100 milhões de pedidos online
Nos Estados Unidos, o varejo óptico está renovando e repondo online seus estoques como nunca. O ato já se tornou rotina em boa parte dos pontos de venda de óptica no país e os profissionais já entenderam que fazer pedidos online é uma boa forma de manter um fluxo eficiente de trabalho.

Prova disso é a marca atingida pelo site VisionWeb, focado no B-to-B (do inglês, “negócio para negócio”, sigla para “business to business”, expressão que define no universo virtual as transações digitais entre empresas), que completou em abril um total de 100 milhões de pedidos online. O acesso para varejistas é gratuito.

Apesar de ter sido lançado em 2001, o movimento de fato começou a aquecer dois anos depois, tanto que 70% dos 100 milhões de pedidos ocorreu nos últimos 11 anos. Nesse mesmo período de 11 anos, o número de contas registradas no site cresceu 1.321%. E, comparando-se com outras formas mais tradicionais de fazer pedido, o ganho de tempo é impressionante: segundo o VisionWeb, os profissionais ópticos economizaram 570 anos ao realizar os pedidos de forma virtual. Além de economizar tempo, os varejistas elegeram o serviço online pela facilidade de uso e a redução de erros e retrabalho.

O VisionWeb tem como sócios as empresas Abbott Medical Optics, American Optometric Association, Essilor of America, Jobson Medical Information, Johnson & Johnson Vision Care, Marchon Eyewear e Transitions Optical. O centésimo milionésimo pedido veio da cidade de Traverse City, estado norte-americano do Michigan.

Quase 30 mil varejistas ópticos dos Estados Unidos (70%) e de outros países (30%) usam o VisionWeb, que os conecta a mais de 400 fornecedores – laboratórios, fabricantes e distribuidores de armações de receituário, óculos solares e lentes de contato. Em 2003, havia 133 laboratórios conectados; hoje esse total é de 402 empresas. Entre os quase 30 mil varejistas usuários do VisionWeb, 64% dividem seus pedidos de lentes entre três ou mais laboratórios.

Luxottica

Parceria com universidade
A corporação italiana anunciou a assinatura de acordo com a universidade milanesa Bocconi como parceira e apoiadora por cinco anos a fim de financiar um programa de bolsas de estudo para universitários e alunos de pós-graduação.

Segundo o comunicado oficial da Luxottica, a meta da parceria é oferecer assistência financeira aos estudantes mais merecedores, apoiar sua formação e trajetória de crescimento e ainda oferecer suporte a três programas de estudo internacionais e ao projeto de mobilidade social da Bocconi intitulado “Una scelta possibile” (do inglês, “uma escolha possível”), esse último criado para dar aos alunos menos favorecidos social e economicamente a oportunidade de participar de cursos da universidade, com reembolso de todas as suas despesas educacionais.

Os três programas internacionais apoiados pela Luxottica são o Mundo bacharel em negócios, com duração de quatro anos para os jovens de todo o mundo realizada tanto na sede milanesa da Bocconi como na University of Southern California, em Los Angeles e na Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong; o Duplo grau em gestão internacional, curso de mestrado realizado integralmente em inglês, em que o primeiro ano se dá na Universidade Fudan de Gestão em Xangai e o segundo na própria Bocconi; e o Programa de pós-graduação em negócios da Mumbai International School of Business, escola de negócios internacional aberta pela Bocconi em 2012 na cidade indiana.

ProDesign

Compra da Face a Face
Novidades no universo do design óptico mundial. Em 12 de junho, a ProDesign Investiment, dona da ProDesign Denmark, a marca dinamarquesa de design óptico, concluiu a negociação de compra da marca francesa de design óptico Face a Face.

Segundo o diretor de vendas da ProDesign Denmark, Lars Toftdahl, o fundo de private equity (do inglês, expressão que define fundos que compram participações em empresas) Erhvervsinvest II K/S, que investiu na empresa há vários anos, tem trabalhado para expandir os negócios de forma orgânica e procurado novas oportunidades.

A dupla líder da Face a Face, Pascal Jaulent e Nadine Roth, continuará gerenciando as operações de forma autônoma. Os dois grupos permanecerão separados, cada um com sua identidade, compartilhando apenas alguns recursos.

5035

De Rigo

Renovação com Loewe
A companhia italiana de óptica anunciou, no início de junho, a renovação do contrato para criação, produção e distribuição global para a coleção de óculos da Loewe, a casa de moda espanhola que é parte do conglomerado francês de marcas de luxo LVMH. A parceria, que teve início no ano 2000, tem como meta de curto prazo nessa nova etapa, segundo comunicado oficial da De Rigo, o lançamento de uma linha de óculos masculinos, que deve ser apresentada em primeira mão, em junho, durante o desfile da grife na semana de moda masculina de Paris.

Por razões naturais, o mercado predominante da grife espanhola é a Europa, inclusive para as coleções de óculos, mas a Loewe tem experimentado um crescimento considerável nos países asiáticos. A marca ainda não é distribuída no Brasil. Desde setembro, a Loewe tem o estilista inglês Jonathan Anderser como diretor criativo e as campanhas têm a estrela espanhola Penelope Cruz como rosto.

5030

Indústrias de lentes

Golpe militar
O golpe militar ocorrido na Tailândia no final de maio não interrompeu a atividade das indústrias de lentes oftálmicas instaladas naquele país. Três corporações globais com unidades produtivas na região da capital Bancoc (Essilor, Hoya e Vision-Ease) informaram ao VMail que os negócios seguiam como de costume por lá.

Um porta-voz da Essilor disse que a situação na capital tailandesa continuava “calma” e que todas as operações da fábrica, localizada a mais de 50 quilômetros do centro da cidade, seguiam normalmente. “Foi decretado um toque de recolher das 22h às 5h, mas a equipe foi dispensada, inclusive a dos trabalhadores do turno da noite. O aeroporto internacional, também localizado fora da cidade, continua funcionando. No que diz respeito à segurança de todos os funcionários – incluindo os tailandeses e familiares expatriados – a Essilor está seguindo as recomendações das diferentes embaixadas, respeitando essencialmente o toque de recolher”, relatou.

Já o CEO (do inglês, “Chief Executive Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Hoya Vision Care, Gerry Bottero, disse que “o golpe militar não teve nenhum reflexo tanto na produção, quanto nas rotas de transporte e nas operações de exportação a partir do aeroporto de Bancoc. A empresa está monitorando continuamente a situação e reportando-se a seus acionistas duas vezes ao dia. O fluxo comercial com clientes e fornecedores na Tailândia permanece normal desde o início dos protestos, em novembro”.

Já o vice-presidente global de marketing da Vision-Ease, Bill Krueger, afirmou que “o dia a dia da empresa no país não foi impactado pela situação política, que está sendo acompanhada de perto”.

Marcolin

Emilio Pucci em 2015
Tem duração de cinco anos e é renovável o contrato de licenciamento para criação, produção e comercialização em caráter mundial assinado entre a corporação de óptica Marcolin e a casa de moda Emilio Pucci, ambas italianas. O acordo passa a vigorar em janeiro, com o lançamento da primeira coleção de óculos solares.

“A Marcolin está muito satisfeita em incluir a Emilio Pucci em seu portfólio de marcas licenciadas, uma grife com única e extraordinária herança, icônica e de grande tradição”, declarou o CEO da empresa, Giovanni Zoppas.

Já a CEO e herdeira da casa de moda italiana, Laudomia Pucci, afirmou que “as duas empresas são portadores de valores italianos e capazes de interpretar com criatividade e inovação a herança e o patrimônio de que são testemunhas. A pesquisa contínua de materiais inovadores, o design e a qualidade representam o grande trunfo dessa parceria. O acordo permite o reforço do produto em sua dimensão global, com o objetivo de crescer em mercados tradicionais e novos, solidificando e expandindo a Pucci”.

A primeira parceria da Emilio Pucci nos modelos atuais de licenciamento do mercado óptico mundial se deu com a norte-americana Marchon, válida desde 2008 e que será encerrada em 31 de dezembro.

5033

www.rivetandsway.com

Fim das operações
O Rivet & Sway, site norte-americano de venda de óculos fundado em março de 2011 com foco no público feminino, anunciou em suas redes sociais que comercializou seu último par de óculos em 3 de junho. O site figurou em 2013 no ranking do 100 maiores varejistas online do ano da revista norte-americana especializada em varejo online, Internet Retailer – da óptica, apenas outros dois foram incluídos, Coastal.com e 1-800-contacts.

“Uma grande revolução industrial”

Em 26 de março, na véspera da feira de óptica nova-iorquina, a Vision Expo East, a Jobson Publishing realizou mais uma edição do seu Vision Monday Global Leadership Summit, que discute ideias e tendências que estão pulsando ou prestes a pulsar no mercado. A VIEW trouxe um resumo do evento na edição passada, a 140, mas um dos momentos ganhou um espaço especial nestas páginas: trata-se do painel Liderança e inovação, do qual fez parte a entrevista do CEO (do inglês, "Chief Executive Officer", sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Luxottica, Andrea Guerra, feita pela vice-presidente editorial da Jobson Publishing, Marge Axelrad.

Enviar por email

Compartilhar

O painel Liderança e inovação, do Vision Monday Global Leadership Summit, abordou a perspectiva atual dos líderes globais sobre a gestão de organizações complexas, a execução de estratégias e a forma como lidar com novas formas emergentes de competição. Para começar, a consultora Sarah Thurber, sócia da FourSight Thinking Profile, falou que nos dias de hoje inovar é questão de sobrevivência e a inovação precisa ter o poder de romper de fato conceitos preestabelecidos.

E para desenvolver a capacidade de inovação, explicou que as pessoas se dividem em quatro estilos de pensamento: clarificador (o que esclarece o desafio), idealizador (o que gera ideias), desenvolvedor (o que desenvolve soluções) e implementador (o que age). Na sequência, o CEO da Luxottica Group, Andrea Guerra, subiu ao palco para conversar com a vice-presidente editorial da Jobson Publishing, Marge Axelrad.

Qual seu perfil de pensamento de acordo com a apresentação de Sarah Thurber?
Sou uma pessoa simples e sempre procuro estar onde as coisas ocorrem. Faço o melhor para ouvir e captar coisas que não são necessariamente ditas pelos funcionários. Nem sempre é fácil dizer a verdade ao chefe, então, às vezes é crucial e importante sair e tentar identificar as coisas que talvez as pessoas estejam dizendo.

O momento atual do mundo é simplesmente fantástico e cheio de oportunidades em nível global. Existem de 2 bilhões a 3 bilhões de novos consumidores no mundo, isso é inédito. Trata-se de uma grande revolução industrial.

Fala-se de internet, redes sociais, vida digital, mas essa não é a única mudança tecnológica. Há toda uma nova maneira de se fazer as coisas, de planejar as fábricas, de trabalhar com os produtos. A impressão 3D mudou completamente a engenharia de pesquisa e desenvolvimento. Amostras e protótipos ficam prontas e assim concebe-se estilo e design com muito mais rapidez do que antes. E acho que essas duas coisas – esse vasto mundo de consumidores e as tecnologias que se tornaram disponíveis – mudaram o jeito de pensar.

Como uma empresa tão grande e estabelecida como a Luxottica lida com esses tipos de mudanças em termos de gestão e priorização?
Acho que sou um pouco masoquista às vezes, não importa o sucesso e o que já foi feito, é passado. Imediatamente já passo para algo novo. Acredito que hoje em dia é sempre um risco perder-se nesse mar de oportunidades e, quando a empresa é grande e bem-sucedida, todo mundo acha que é possível que ela faça qualquer coisa. Mesmo internamente, as pessoas dizem “por que não fazemos isso ou aquilo?”. É um mundo cheio de oportunidades, mas, por outro lado, é muito instável.

Não se sabe o que o futuro traz. No prazo de uma semana, um mês, três meses, não dá para saber. Então, enfatizei o planejamento estratégico e o compartilhamento. Daí ocorrem os questionamentos sobre planejar, já que o mercado é tão instável. As pessoas acham inútil e que os planos deveriam ser feitos a cada três meses, enfrentando as situações conforme forem surgindo. E eu digo que não, isso seria completamente errado, pois é preciso escolher as batalhas e, planejando bem e envolvendo mais pessoas nos projetos, fica muito mais fácil readaptar os rumos e dar conta das coisas que estão mudando. E é isso que tento fazer todos os dias.

Então isso significa que, em se considerando possibilidades e mudanças, as pessoas estão administrando coisas que sabem que podem vir a mudar?
A questão é permitir que as pessoas entendam as oportunidades e as limitações. É um jogo constante. Os funcionários devem ser perseverantes e amar o que fazem. Quanto mais pessoas dentro da empresa estiverem engajadas, melhor para todos.
Há três meses, tomei uma decisão. A Luxottica tem uma revista diária digital para todos da empresa e decidi publicar pela primeira vez o planejamento para os próximos três anos, a fim de que todos tivessem acesso. Houve quem me disse que isso era arriscado, que os planos eram sigilosos e eu disse que o risco está em na cabeça de cada um e que é importante compartilhar os planos. Se as pessoas tiverem a sensação de que estão contribuindo, mesmo que apenas um pouco, tudo vai ser muito mais rápido.

Você é CEO da Luxottica há 10 anos. Qual foi a maior mudança e o que não mudou no mercado?
Acho que uma das grandes mudanças foi a ligação emocional que o consumidor passou a ter com os óculos, tanto receituário como solares. Isso mudou completamente na última década. Dez anos atrás, essa relação era funcional: estou protegendo os meus olhos do sol, estou vendo melhor com minha armação de receituário.

Ainda há o aspecto funcional, mas o mercado passou a gerar emoção, marcas, sonhos, trouxe moda e luxo e tudo que leva o consumidor a um novo lugar, com uma percepção diferente. Com isso, os clientes não saem mais de casa dizendo que precisam comprar um novo par de óculos, mas talvez estejam comprando um novo par simplesmente por terem amado um modelo na vitrine ou porque viram Angelina Jolie usando esses óculos.

O que pouco mudou foram os mercados internos, especialmente nos Estados Unidos. Existe uma característica especial nos Estados Unidos que, de alguma forma, tem influenciado bastante o mercado: os planos de saúde e seguros-saúde para cuidados visuais. Isso torna o mercado local tão diferente em relação a qualquer outro no mundo e faz as coisas ocorrerem um pouco mais devagar.

Como a Luxottica lida com essas mudanças?
Acho que a Luxottica tem uma grande responsabilidade. A empresa está feliz. É bem-sucedida. Está crescendo. Há muitas pessoas que querem fazer negócios com a Luxottica ao redor do mundo. Isso é fantástico. Mas tem uma grande responsabilidade e assumiu a posição de alimentar a conversa, iniciar o debate, contar histórias. Permitir que as pessoas entendam as diversas maneiras de se gerenciar um negócio.

É uma atitude. A questão é abrir, refletir, entender o que se quer fazer. Quem poderia ter imaginado as coisas que estão ocorrendo hoje no mundo? Quem poderia ter imaginado que a Amazon se tornaria uma das maiores redes de varejo de óculos de sol nos Estados Unidos? O que fazer? Deixar para lá, combater? Acho que todos têm de ser consumidores, fornecedores, concorrentes, parceiros, amigos, inimigos ao mesmo tempo. Quando encontro com Hubert Sagnières, [o CEO] da Essilor, digo que às segundas e às terças-feiras, ele é meu fornecedor. Quartas e quintas-feiras, sou o consumidor. Sextas-feiras, somos bons parceiros. E, no sábado, competimos.

Liderança e inovação: Andrea Guerra (Luxottica) e Marge Axelrad (Jobson Publishing) no palco do Vision Monday Global Leadership Summit

Liderança e inovação: Andrea Guerra (Luxottica) e Marge Axelrad (Jobson Publishing) no palco do Vision Monday Global Leadership Summit

© Divulgação

Enviar por email

Compartilhar

Últimas edições