tamanho da letra : imprimir

A óptica no mundo

A óptica no mundo

Enviar por email

Compartilhar

Marcolin

Compra da Viva International

No final de outubro, uma notícia e tanto sacudiu o mercado óptico mundial. A italiana Marcolin assinou um acordo com a HVHC para a compra da indústria norte-americana Viva International.

Fundada em 1961, a Marcolin teve vendas na casa dos US$ 282 milhões em 2012. Em dezembro deste mesmo ano, 78% de suas ações foram adquiridos pelo fundo de investimentos europeu Pai Partners, com extensa experiência no setor de bens de consumo. Diante dessa nova configuração, a companhia italiana teve fôlego financeiro para negociações como a compra da Viva, o que lhe permitirá consolidar sua operação nos Estados Unidos, fatia do mercado mundial mais que cobiçada por qualquer indústria óptica,
Os valores da negociação foram mantidos sob sigilo. A aquisição deverá ser concluída dentro de alguns meses, após a aprovação dos órgãos antitruste locais e internacionais.
Até a conclusão da transação, as operações seguem como antes e os planos são de que Marcolin e Viva continuem ocupando suas respectivas matrizes – a primeira em Longarone, Itália, e a segunda em Somerville, estado norte-americano de New Jersey.

Presente em 90 países, a Viva nasceu em 1978 pelas mãos do empreendedor norte-americano Harvey Ross. Em fevereiro de 2005, já tendo se tornado uma empresa de atuação global, foi comprada pela HVHC, Inc., companhia verticalmente integrada de cuidados com a visão, terceira maior do ramo de planos de saúde de visão nos Estados Unidos e que mantém em seu portfólio empresas como Davis Vision e Visionworks.

Marcolin

Morte do patriarca

No mesmo dia que a Marcolin anunciava a aquisição da Viva International, teve de se despedir de seu fundador. O patriarca da empresa, Giovanni Coffen Marcolin, morreu em 23 de outubro aos 82 anos, após uma longa doença. O italiano criou em 1961 a Fabbrica Artigian, especializada na produção de hastes de óculos laminadas de dourado no Cadore Veneto, a região do norte da Itália que concentra as fábricas do setor.

Em 1967, abriu uma fábrica em Vallesella di Cadore, onde lançou sua primeira linha de produtos e, em 1985, transferiu a produção para Belluno, também na região no Cadore e, três anos mais tarde, mudou-se para Longarone, distrito de Belluno. O grupo expandiu sua participação nos Estados Unidos por meio de distribuidores e, mais tarde, manteve uma parceria estratégica com a norte-americana Marchon por muitos anos.

Além do legado de uma corporação do porte da Marcolin, Giovanni Marcolin (ou “Nanni”, como era chamado por parentes e amigos) foi uma figura muito importante para a história da óptica tanto na Itália quanto no mundo. No início da década de 70, foi um dos empreendedores que teve a intuição de transformar óculos em acessórios essenciais, fato fundamental para turbinar o desenvolvimento dos negócios.

Safilo

Thierry Lasry para Fendi

Depois de comunicar em junho a chegada da grife italiana a seu portfólio de marcas por meio de contrato que passa a vigorar a partir de 1º de janeiro, a Safilo anunciou que o designer óptico francês Thierry Lasry assinará uma “capsule collection” (do inglês, “coleção cápsula”, expressão que define uma minicoleção lançada em caráter especial, seja por meio de colaborações com celebridades, designers ou figuras estratégicas ou por conta de um tema especial, uso de matérias-primas originais etc.) para a Fendi, a ser apresentada em março de 2015, provavelmente durante a feira italiana Mido.
Segundo a CEO (do inglês, “Chief Operating Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Safilo, Luisa Delgado, a parceria com Lasry é uma excelente oportunidade de enriquecer ainda mais o caráter precioso da Fendi.

Filho de pai óptico e mãe designer, Lasry lançou sua linha de solares em 2006, inteiramente fabricada à mão na França. Essa será a sua primeira colaboração para uma casa de moda. Na marca que leva seu nome, o designer óptico francês desenvolveu nos últimos anos peças sob um conceito vintage futurista, mixando inspirações do passado com toques de vanguarda, criando peças autorais sem qualquer tipo de logo aparente, que caíram em cheio no gosto de top celebridades como Madonna, Lady Gaga, Rihanna e Anne Hathaway. Sua coleção é comercializada nas melhores lojas do planeta como Colette (Paris), Bergdorf Goodman e Barneys (Nova York), Lane Crawford (Hong Kong), Dover Street Market e Liberty (Londres), Boon the Shop (Seul) e 10 Corso Como (Milão) etc.

Thierry Lasry: coleção cápsula para Fendi

© Eye Like

Essilor

Aquisições nos Estados Unidos

Em agosto, a corporação francesa anunciou a aquisição majoritária das ações do Classic Optical, laboratório situado em Youngstown, estado norte-americano de Ohio, especializado em gestão de contratos de alto volume para empresas de seguros, planos de saúde, organizações sindicais, fundos fiduciários, instituições educacionais, estabelecimentos prisionais e fábricas, além de programas dos governos federal e estadual.
Fundado em 1970 pela família Friedkin, o Classic Optical tem 170 funcionários, produção diária de 3 mil pares de lentes e vendas líquidas na casa dos US$ 20 milhões. A família, inclusive a presidente do laboratório, Dawn Friedkin, manteve participação minoritária e continuará no comando dos negócios. Não foram anunciados valores da transação.

Já em outubro, a Essilor divulgou a compra de dois outros laboratórios no país de Barack Obama: Katz & Klein e Vip Optical. O primeiro, localizado em Sacramento, estado da Califórnia, foi fundado em 1937 pela dupla Harry Katz e Russell Klein e tem renda anual de US$ 4 milhões. O segundo fica em Linden, estado de New Jersey, e movimenta US$ 3,9 milhões por ano. Tal qual na aquisição do Classic Optical, os valores dessas negociações também foram mantidos sob sigilo.

Johnson & Johnson

Ampliação das operações

A Johnson & Johnson Vision Care anunciou o investimento de US$ 218 milhões nas instalações de sua divisão de lentes de contato, a Vistakon, situada em Jacksonville, no estado norte-americano da Flórida. Trata-se de um projeto de três anos para expandir a fabricação e renovar as linhas de produção das lentes de contato Acuvue, o que possibilitará a abertura de 100 novos postos de trabalho, que se somarão aos 1,8 mil já existentes. A expansão inclui também um centro de distribuição, atualmente em construção e que deve estar pronto em novembro de 2014, de cerca de 9 mil metros quadrados.

Rodenstock

Mercedes-Benz até 2018

Graças à bem-sucedida parceria estabelecida em 2010, a Rodenstock e a divisão de acessórios da Mercedes-Benz anunciaram a extensão do contrato de licenciamento para design, fabricação e distribuição mundial da coleção de armações de receituário e óculos solares por mais cinco anos, isto é, até 2018.

Vision Expo West 2013

Aumento de público

Cresceu em 5% o total de público presente na 25ª edição da Vision Expo West, realizada de 5 a 8 de outubro no Sands Expo & Convention Center, em Las Vegas, estado de Nevada. Um total de 425 expositores apresentou 5 mil marcas de produtos para 13 mil visitantes de 89 países.

Refac e U.S. Vision

Compra de concorrente

Movimentação no varejo óptico norte-americano. A Refac Holdings, por meio de sua principal subsidiária, a U.S. Vision, divulgou a assinatura de acordo de aquisição da rede Nationwide Vision, a mais importante do estado norte-americano do Arizona e a 19ª no ranking nacional.

Os termos da negociação foram mantidos em sigilo. Sujeita a aprovações regulatórias, a transação deve ser concluída ainda em 2013. A partir de então, a Nationwide operará como uma divisão independente no universo da Refac.

Fundada em 1985, a Nationwide Vision tem 64 ópticas e duas modernas clínicas médicas, onde realiza cirurgias a laser para correção da visão com o emprego de várias tecnologias. Já a Refac Optical Group atua nos Estados Unidos e no Canadá e sua principal empresa, a U.S. Vision, estabeleceu-se no varejo norte-americano em 1967. Hoje, é a segunda maior operadora de ópticas em termos de número de pontos (em agosto, eram 769) e a primeira em número de marcas em grandes de redes de varejo como Macy’s, JCPenney, Sears Optical, BJ’s, Belk, Hudson’s Bay, Boscov’s e Meijer Stores.

Essilor

No ranking da Forbes

Pelo terceiro ano consecutivo, a Essilor foi incluída na lista das empresas mais inovadoras produzida anualmente pela revista norte-americana de negócios, Forbes, e subiu cinco posições em relação ao ano anterior, passando a ocupar a 23ª colocação em caráter global. Levando-se em conta as companhias europeias mais inovadoras, a Essilor fica com o 5º lugar e, entre as francesas, é a vice-líder.

O ranking da Forbes reconhece as empresas que fazem da inovação um combustível para o sucesso. A Essilor investe cerca de € 150 milhões em pesquisa e desenvolvimento e mantém três centros de tecnologia e inovação que empregam 500 pesquisadores.

Allison

Renovação com Benetton

Em outubro, Allison e Benetton Group anunciaram a renovação do acordo que teve início em 2006 para produção e distribuição mundial das coleções de armações de receituário e óculos solares das marcas pertencentes ao grupo italiano: United Colors of Benetton e Sisley. A duração do novo acordo não foi revelada.

O Benetton Group está presente em 120 países com mais de 6,5 mil pontos de venda sob os nomes United Colors of Benetton, Sisley, Undercolors of Benetton e Playlife.

Cutler and Gross

Nova fábrica na Itália

A marca inglesa de design óptico anunciou a compra de uma nova fábrica na região italiana do Cadore, o que permitirá fabricar modelos de acetato e metal em uma mesma unidade produtiva.

O CEO (do inglês, “Chief Operating Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo), Majid Mohammadi, definiu a aquisição como um divisor de águas na trajetória da empresa. Em 2008, a Cutler and Gross comprou sua primeira fábrica também no Cadore e hoje, cinco anos depois, contabiliza um aumento de 350% no seu volume de negócios graças ao aumento da capacidade produtiva.

A compra da nova fábrica é o passo final da estratégia de crescimento global da Cutler and Gross, levada a cabo por meio de um programa de investimento autofinanciado. Nos últimos sete meses, a empresa abriu um ateliê de criação e prototipagem no noroeste da capital inglesa e também promoveu uma ampliação das áreas comercial, administrativa, marketing e de relações públicas.

A Cutler and Gross foi criada pela dupla Graham Cutler e Tony Gross, que se conheceu na faculdade de Optometria de Northampton. Em 1969, abriram uma loja no número 16 da Knightsbrigde Green, em Londres, onde começaram a criar e produzir óculos à mão.

Satisloh

Mudança de sede norte-americana

A subsidiária da Satisloh nos Estados Unidos tem uma nova matriz, instalada na mesma cidade da anterior: Germantown, no estado de Wisconsin. Com cerca de 4,2 mil metros quadrados, a nova unidade foi inaugurada em 5 de setembro em cerimônia que contou com a presença de funcionários e autoridades locais.

Comprada pela Essilor em 2008, a Satisloh é o resultado da fusão entre a Loh e a Satis Vacuum, ocorrida três anos antes. A Loh foi fundada em 1922 por Wilhelm Loh na cidade alemã de Wetzlar e começou suas operações fabricando máquinas para a produção de latas de folha de metal. Só em 1950 dedicou-se à óptica pelas mãos do filho do fundador, Ernst Loh. Já a Satis Vacuum nasceu em 1965 no porão de um prédio residencial na Itália, onde Delio Ciparisso começou a desenvolver os sistemas de tratamento para a indústria de lentes oftálmicas. Já instalada em Zurique, Suíça, passou a atuar no mercado com uma pequena unidade de tratamento para seis lentes.

Hoje, a Satisloh tem atuação mundial com 750 empregados distribuídos entre cinco fábricas, subsidiárias, representantes e centros de serviço – nos Estados Unidos, são 160 funcionários.

Kenmark

Assinatura com Zac Posen

O universo luxuoso do designer de moda novaiorquino acaba de ser acrescido de óculos. A companhia norte-americana Kenmark anunciou a assinatura de contrato de licenciamento para design, produção e distribuição de coleções feminina e masculina de armações de receituário e óculos solares sob a marca Zac Posen. O lançamento da linha está previsto para setembro.

Marchon

Liu Jo chega à casa

Uma nova marca chega para crescer o portfólio da Marchon: trata-se da italiana Liu Jo. O acordo de licenciamento prevê a criação, a fabricação e a comercialização da coleção de armações de receituário e óculos solares da marca fundada pelos irmãos Marco e Vannis Marchi em 1995 em Carpi, na região de Modena, tradicional pela produção de malharia. Hoje, a Liu Jo tem de roupas a sapatos, além de acessórios, e está presente em 44 países na Europa, na Ásia e na África.

A coleção de óculos, desenvolvida para mulheres de perfil feminino e elegante, estará disponível em janeiro. A estratégia de distribuição será estabelecida em paralelo à expansão internacional da marca, começando por países europeus, africanos e do oriente médio. Os mercados norte-americano e asiático serão alvo em médio prazo.
IMAGEM 8319

Rodenstock

Claudia Schiffer by Rodenstock

Em setembro, a corporação alemã Rodenstock divulgou o lançamento de uma coleção em parceria com a supermodel alemã Claudia Schiffer. Batizada de “Claudia Schiffer by Rodenstock”, será uma série de modelos de receituário e solares femininos, apresentada em janeiro, durante a feira de Munique, a Opti Trade Fair.

Hong Kong Optical Fair

Saldo positivo e recorde

A edição de número 21 da feira de Hong Kong, realizada de 6 a 8 de novembro e organizada pelo Conselho de Desenvolvimento Comercial de Hong Kong (o Hong Kong Trade Development Council) em parceria com a associação local dos fabricantes de produtos ópticos, contabilizou um total de público de 14 mil profissionais ópticos, uma elevação de 8% em relação ao ano anterior. Houve visitantes de 100 diferentes países – entre os estrangeiros, o fluxo se concentrou em nações como Taiwan, China, Estados Unidos, Coreia, Japão, Malásia e Austrália.

O recorde do ano ficou por conta do total de expositores: 700, de 26 países. Entre os estreantes, empresas de Israel, Holanda, Macau, Nova Zelândia e Tailândia.

Luxottica

Aquisições na mira para 2014

Durante a conferência em Milão para a divulgação dos resultados do terceiro trimestre que revelaram crescimento tanto das operações de atacado como das de varejo, o CEO (do inglês, “Chief Operating Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor executivo) da Luxottica, Andrea Guerra, demonstrou satisfação com os números e afirmou que “o mundo hoje é diferente. Há muitas oportunidades por conta de novos consumidores e novas tecnologias, mas também é mais instável e volátil. É preciso se adaptar constantemente, readaptando-se às regras do mercado”.

Na sequência, de forma mais objetiva, informou que a corporação italiana trabalha na constante renovação de seu portfólio de marcas e está negociando uma nova licença, que deverá ser anunciada em janeiro de 2015. Mas, antes disso, tudo leva a crer que ainda no primeiro semestre do próximo ano, deverá anunciar pelo menos duas novas aquisições. A busca é por marcas para engordar a sua divisão Ateliê, que pertence às operações do atacado e reúne grifes como Alain Mikli, Oliver Peoples, Paul Smith, Persol e Stella McCartney. Além disso, no varejo de solares, Guerra afirmou que a busca da Luxottica por aquisições é global. Já na divisão óptica, os focos são a América Latina e o sudeste asiático.

Essilor

Investimentos em visão subnormal

A Essilor International divulgou em outubro a compra de participação majoritária na companhia canadense Technologies Humanware, uma das líderes na criação e na distribuição de auxílios eletrônicos para cegos e deficientes visuais.

Com 150 empregados e receita anual em torno de US$ 35 milhões, a Technologies Humanware foi fundada em 1988 e tem sede em Drummondville, na província de Quebec. Conta com uma extensa oferta de produtos comercializados principalmente em clínicas de reabilitação visual em países da América do Norte, da Europa, de parte da Ásia e na Austrália. Inclusive, um de seus mais recentes lançamentos, batizado de “Prodigi Duo”, conquistou em setembro o Silmo D’Or na categoria “Recurso para visão subnormal” durante o salão francês de óptica. Detalhes da negociação não foram veiculados.

Moncler

Colaboração de Pharrell Williams

Depois de lançar sua coleção própria de óculos durante a Mido, em março, a top marca de casacos fofos forrados de pena de ganso para situações de frio extremo anunciou a colaboração do rapper norte-americano Pharrell Williams na criação de uma série de modelos solares femininos e masculinos para celebrar os 60 anos de existência da Moncler, que foi lançada durante o Silmo, em setembro.

Conhecido pela sua força criativa, Williams, além de músico, produtor e ganhador de três estatuetas do Grammy, tem uma face fashion: criou as marcas Billionaire Boys Club e Icecream Footwear, tem loja em Nova York e, em 2008, desenvolveu uma série de óculos para a Louis Vuitton.

A Moncler (abreviação para “Monestier de Clermont”, localidade nos alpes franceses) foi criada em 1952 pelo francês René Ramillon, mas foi comprada em 2003 pelo empreendedor italiano Remo Ruffini, que se tornou presidente e diretor criativo. Hoje a marca tem sede em Milão, Itália.

Essilor

Acesso à acuidade visual

Foi batizada de “2.5 New Vision Generation” (do inglês, algo como “Geração nova visão 2.5”) a nova divisão criada pela Essilor focada em criar modelos rentáveis de negócios de larga escala em países emergentes com o objetivo de atender as pessoas menos favorecidas visualmente. Segundo a corporação francesa de lentes oftálmicas, atualmente há 2,5 bilhões de pessoas pelo mundo afora que necessitam de correção visual e, desse total, 95% vivem em nações emergentes como China e Índia. E, caso providências não sejam tomadas, esse número pode chegar a 3,2 bilhões de pessoas em 2050.

Segundo a Essilor, a meta da 2.5 New Vision Generation é reverter essa desastrosa tendência com modelos de negócios inovadores e rentáveis que visem adicionar, anualmente, 50 milhões de novos usuários de óculos até 2020. A empresa citou como benefício sua extensa experiência no desenvolvimento de produtos e da cadeia produtiva, bem como o conhecimento dos mercados locais em que as iniciativas piloto de negócios estão sendo testadas.

Segundo o CMO da Essilor (do inglês, “Chief Corporate Mission Officer”, sigla que denomina o cargo de diretor da missão corporativa), Jayanth Bhuvaraghan, a empresa tem colocado em prática várias iniciativas sociais para combater a baixa qualidade visual em todo o mundo, o que inclui um serviço de refração móvel em vans na Índia, atendimentos visuais a crianças nos Estados Unidos por meio da Essilor Vision Foundation, exames de vista nas principais cidades chinesas etc. “A implantação dessa divisão reforçará ainda mais a missão da empresa”, afirmou.

Já estão em testes vários projetos em países como China, Índia e, inclusive, o Brasil. A previsão é que esse leque de países seja ampliado rapidamente. Os modelos de negócios são baseados em novos canais que permitem à população sem acesso à correção visual ser atendida por especialistas que ofereçam testes de visão e produtos de valores acessíveis. Na China, os alvos são a população rural e os empregados das indústrias. Já no Brasil, o foco é o público menos favorecido financeira e visualmente dos grandes centros urbanos.

Enviar por email

Compartilhar

Últimas edições